quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

De Viagens, Grana e Malucxs de Estrada.

Muitas pessoas reclamam que gostariam de viajar, mas que n√£o tem dinheiro. N√£o sou expert no assunto, mas tamb√©m fui afligido por essa febre coletiva de querer 'viajar o mundo' — que sabemos ser mais uma estrat√©gia comercial para nos empurrar pacotes de viagem, livros e etc.

Apesar do oportunismo, viajar √© preciso. Porque nos enriquece como pessoas, muda a forma como vemos o mundo e vemos a n√≥s mesmos. Por√©m viajar tamb√©m tem o potencial para deixar um rombo imenso em sua vida financeira, principalmente se voc√™ pega a estrada para  seguir seus sonhos, sem nenhuma expectativa realista na cabe√ßa. N√£o vai ser s√≥ postar fotinha bonita no facebook e ter experi√™ncias maravilhosas o resto do tempo.

Mas é possível, sim, cortar custos e viajar por mais tempo ou pagando menos. E esses serviços podem ajudar:

Funciona como uma rede social, permitindo que pessoas possam encontrar um lugar para ficar, mostrar que tem uma lugar livre se alguém quiser ficar na casa delas, encontrar algum local para dar uma volta pela cidade e tomar um café, e encontrar amigos de viagem. O lema do CouchSurfing é "não existem estranhos, somente amigos que você ainda não conheceu". E essa é ideia por trás do projeto: colocar pessoas em contato.
Uma das primeiras preocupa√ß√Ķes com esse tipo de contato com estranhos que surge √© a seguran√ßa. Para resolver esse problema o site usa um sistema de reputa√ß√£o parecido com o usado em sites como o Mercado Livre.

Assim você tem a experiência de várias pessoas para decidir se quer ficar na casa de alguém, hospedar ou encontrar a pessoa. E saber que não vai hospedar ou ficar na casa de um completo maluco (embora isso possa render uma bela história).
Antes de fazer uma viagem mais longa e complicada é interessante conhecer e ser conhecido pelos CouchSurfers que moram perto de você. Cidades maiores costumam ter eventos quase todo dia.


Sigla para 'World Wide Opportunities in Organic Farming', algo como Oportunidades de Trabalho em Fazendas de Org√Ęnicas pelo Mundo Afora numa tradu√ß√£o livre. Imagine que voc√™ queira passar tr√™s meses em outro pa√≠s, mas voc√™ simplesmente n√£o nasceu rico e n√£o tem como pagar PIB de um pa√≠s pequeno pela viagem (que √© o que agencias de interc√Ęmbio normalmente cobram).
Al√©m dos custos para chegar l√° voc√™ ainda tem que para por um lugar para ficar e por comida. Com o WWOOF voc√™ resolve o problema de alimenta√ß√£o e estadia. E se voc√™ tem inclina√ß√Ķes a aprender um pouco sobre agricultura ou j√° tem afinidade com essa √°rea, fica bem mais f√°cil. Nesses programas voc√™ troca horas de trabalho pela por um local para dormir e alimenta√ß√£o. Al√©m de aprender mais sobre o cultivo org√Ęnico de alimentos e saber como produtores rurais vivem em outro pa√≠s.


O WorkAway tem uma filosofia parecida com a do WWOOF, mas n√£o se limitam ao cultivo org√Ęnico. Eles disponibilizam v√°rias formas de voluntariado, de jardinagem na Austr√°lia √† ajudar tomar conta de um saf√°ri em Z√Ęmbia.
Ambos os serviços possuem taxa de inscrição, mas o valor é irrisório quando comparado ao que agências de viagem tradicionais cobram. (entre 20 e 40 dólares para poder usar o serviço por um ano)


Acredito n√£o ser exagero dizer que o mochileiros.com √© o recurso mais completo em l√≠ngua portuguesa para viajantes, mochileiros e quem quer se tornar um. O f√≥rum tem t√≥picos sobre qualquer destino, como chegar, onde ficar, o que fazer e mais informa√ß√Ķes ainda. Independente do seu or√ßamento e estilo de viagem, h√° uma grande chance de que algu√©m j√° fez essa viagem em condi√ß√Ķes muito parecida e postou alguma dica √ļtil no f√≥rum.

Para quem prefere alugar e pagar um lugar para ficar, é possível encontrar preços melhores no Airbnb do que em hotéis convencionais. Por experiência pessoal, o serviço é muito interessante, e assim como CouchSurfing cria oportunidades para conhecer muitas interessantes!



E para os realmente fortes de cora√ß√£o, √© poss√≠vel viajar sem grana. E ir se virando no meio do caminho. Mas n√£o √© para qualquer um. Em geral voc√™ pode esperar um conforto proporcional a quanto dinheiro tem para investir na sua viagem. E como o autor de O Pequeno Pr√≠ncipe disse: "A perfei√ß√£o n√£o √© alcan√ßada quando n√£o h√° mais nada a ser inclu√≠do. A perfei√ß√£o √© alcan√ßada quando n√£o h√° mais nada a ser retirado."

E essa, entre outras, é a arte do pessoal que viaja Brasil afora vendendo artesanato. Se acostumam a viver com pouco conforto material em busca de outras experiências, e uma delas é a de se mover entre fronteiras como se não significassem nada. E se pararmos para pensar não significam mesmo. Mas voltando ao assunto, não eles não fazem isso só 'para viajar', é filosofia de vida. O documentário abaixo captura parte dos costumes e hábito do pessoal que vive na estrada:



E só para fechar, quando vejo isso:

Se mimimimi de gra√ßa, mimimimimimimimi. 


Penso que querem dizer "viajar com todo conforto que se tem em casa, e sem ter que trabalhar por ele como normalmente se faz a maior parte do ano", o que √© tolice. A menos que voc√™ seja um pol√≠tico, mega-empres√°rio, sheik √°rabe, e nesse caso n√£o teria porque estar lendo isso aqui.


PS.: Espero n√£o demorar mais seis meses para escrever o pr√≥ximo post. Indepente do assunto. Essa bagun√ßa aqui n√£o tem tema mesmo. Que se fuck.